Corpos estranhos no trato gastrointestinal são comuns. Os grupos de risco incluem as crianças (cerca de 80%), os portadores de deficiência mental, doença psiquiátrica ou causada pelo álcool e aqueles que se beneficiam do incidente (geralmente prisioneiros). A maior parte dos corpos estranhos (80% a 90 %) passa pelo trato gastrointestinal sem dificuldades, mas uma pequena porcentagem (10% a 20%) pode obstruir a luz e perfurar a parede, necessitando de remoção por via endoscópica – cerca de 1% exige cirurgia. Em geral, a endoscopia digestiva alta deve ser feita dentro de 24 horas, pois o risco de complicações aumenta muito após este período. Como o esôfago é a porção mais estreita do trato gastrointestinal (com a exceção do apêndice), entre 28% e 68% dos corpos estranhos são encontrados nele.

Pedido de exame:

O primeiro passo para fazer o procedimento de retirada de corpo estranho na Clínica Gastrocentro é encaminhar o pedido médico de realização do procedimento. Para isso, tire uma foto em boa resolução e nos envie pelo formulário.

Corpos estranhos no esôfago

A ingestão de um objeto pequeno e não pontiagudo pode causar a sensação de que algo ficou preso no esôfago e dificuldade em engolir (disfagia). Essa sensação pode persistir durante algum tempo, mesmo depois do objeto ter passado para o estômago. Se o que foi ingerido for um objeto pequeno e pontiagudo, este pode alojar-se no esôfago e causar dor, mesmo quando a pessoa é capaz de engolir normalmente. Quando o esôfago fica completamente obstruído, a pessoa não consegue engolir nada, nem sequer saliva, começando a babar e a cuspir constantemente. A saliva pode apresentar manchas de sangue e a pessoa pode ter ânsia de vômito e engasgar. A pessoa pode tentar vomitar, mas não consegue expulsar nada.

Corpos estranhos no estômago e intestino

Caso um corpo estranho esteja obstruindo total ou parcialmente o estômago, o intestino delgado ou, raramente, o intestino grosso, ele pode provocar cólicas, distensão, perda do apetite, náusea e vômitos.

Corpos estranhos no reto

Dor repentina e intensa durante a evacuação sugere que um objeto estranho está perfurando o revestimento do ânus ou do reto. É possível também haver sangue nas fezes.

Complicações da presença de corpos estranhos no trato digestivo

Se um objeto pontiagudo perfurar o esôfago, as consequências podem ser sérias. Alimentos podem vazar na cavidade torácica (mediastino) e causar inflamação com risco de morte (mediastinite). Se a pessoa tiver engolido pilhas botão, que podem corroer o revestimento esofágico, ela pode apresentar queimaduras no esôfago.

Objetos pontiagudos podem causar uma perfuração do trato digestivo. Uma perfuração permite o vazamento de alimentos, sucos gástricos ou conteúdo intestinal, inclusive fezes, para dentro do abdômen. Esse tipo de vazamento constitui uma emergência médica porque ele causa peritonite (a inflamação da cavidade peritoneal abdominal).

Às vezes, os corpos estranhos causam a presença de sangue nas fezes.

Se uma pessoa tiver engolido um objeto que foi enchido com drogas, o objeto pode se romper, o que pode causar uma overdose.


Diagnóstico

• Exames de imagem (normalmente radiografias)
• Endoscopia

Com frequência, um corpo estranho pode ser visualizado nas radiografias do abdômen e, às vezes, do tórax. Normalmente, é realizada uma endoscopia (exame visual do trato digestivo utilizando um tubo flexível, chamado de endoscópio), para determinar a natureza do objeto estranho e para excluir a possibilidade de ser um tumor. Outros exames de imagem como, por exemplo, tomografia computadorizada (TC), podem ser realizados para ajudar a identificar o corpo estranho.

Corpos estranhos que estão presos no reto frequentemente podem ser sentidos pelo médico durante um exame de toque retal, no qual o médico insere um dedo recoberto por uma luva no reto da pessoa.

Os médicos podem utilizar um detector de metal portátil para localizar corpos estranhos metálicos, como moedas e pilhas. No entanto, esses objetos metálicos normalmente são detectados com radiografias.


Tratamento

• No caso de corpos estranhos no esôfago, glucagon ou endoscopia
• No caso de corpos estranhos no estômago, endoscopia
• No caso de corpos estranhos no intestino, ocasionalmente remoção endoscópica ou cirúrgica
• No caso de corpos estranhos no reto, remoção endoscópica ou manual

Alguns corpos estranhos são expelidos espontaneamente e não precisam de tratamento. Às vezes, o médico recomenda uma dieta líquida para ajudar na expulsão do objeto. Alguns objetos pequenos, como um palito de dente ou uma espinha de peixe, podem permanecer no trato gastrointestinal por muitos anos sem causar sintomas.


Corpos estranhos no esôfago

Se a pessoa não apresentar sintomas de obstrução e não tiver ingerido um objeto pontiagudo ou uma pilha botão ou pilha moeda, ela será mantida sob observação médica por 24 horas para ver se o objeto é expelido espontaneamente. Quando o médico suspeita que um pedaço de alimento se encontra preso no esôfago, o medicamento glucagon pode ser administrado pela veia (via intravenosa) para relaxar o esôfago e permitir que o alimento atravesse espontaneamente o trato digestivo.

Normalmente, o médico fará a remoção de um corpo estranho que não tenha sido expelido do esôfago no prazo de 24 horas, já que adiar a remoção aumenta o risco de complicações, incluindo perfuração, e diminui a probabilidade de uma remoção bem-sucedida.

Os médicos podem remover alguns objetos presos no esôfago com fórceps ou uma cesta, inserida por meio de um endoscópio.

Uma vez que objetos pontiagudos podem perfurar a parede do esôfago, eles devem ser removidos com urgência por endoscopia. As pilhas também precisam ser removidas com urgência do esôfago porque elas podem causar queimaduras internas.

A Clínica Gastrocentro é formada por doutores experts em exames de endoscopia, tenha total segurança ao ser atendidos por uma das melhores equipes, do Brasil, na realização de exames de endoscopia.